Erva de São Guilherme: aliada da digestão e contra inflamações

Erva de São Guilherme é um dos nomes da Agrimonia eupatoria ou agrimônia, uma planta utilizada como remédio caseiro contra inflamações e infecções de garganta, boca, estomatite ulcerosa, angina e vários outros problemas. Os detalhes estão logo abaixo… Vamos a eles!

A planta possui um sabor amargo e, por isso, é amplamente procurada para favorecer digestão e assimilação dos alimentos. Suas qualidades gastrointestinais fazem dela uma boa opção natural para aliviar o inchaço do cólon (colite mucosa).

Inflamação da mucosa bucal é um dos destaques entre as aplicações medicinais populares da Erva de São Guilherme. Graças à capacidade de estimular as secreções digestivas do fígado, é considerada boa aliada do aparelho digestivo.

Acredita-se até que o gargarejo diário com a infusão da erva seja uma forma de prevenir males e desconfortos nas pessoas que usam muito a voz, especialmente os profissionais que cantam ou falam bastante.

Tem mais! As folhas de agrimônia são aproveitadas também pelos adeptos dos tratamentos naturais para combater anemia, reumatismo, feridas, lumbago, congestões, indigestão e enfermidades no baço.

A reputação terapêutica do vegetal inclui melhora na função hepática e da vesícula, combate à cirrose, icterícia e cálculos biliares, entre outros distúrbios.

Diz-se que para tratar escrofulose em crianças é recomendado o banho diário com Erva de São Guilherme. Já a pomada feita com a planta é indicada popularmente para úlcera na perna e varizes, sendo considerada quase tão poderosa quanto a de calêndula, por exemplo.

Agrimonia eupatoria é composta de vitaminas (B e K), flavonoides, polissacarídeos e ferro. É uma espécie com forte potencial anti-inflamatório e antioxidante. Seu uso já foi bastante difundido inclusive para controlar o fluxo menstrual.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consulta e prescrições médicas. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Aviso: a Erva de São Guilherme é contraindicada durante a gravidez ou gripes. E mais: doses elevadas da planta podem diminuir o ritmo das batidas do coração.

A planta é capaz de provocar ainda hipotensão arterial, náuseas, vômito e parada cardíaca. Além disso, a erva fresca tem forte ação fotosensibilizante.

Erva de São Guilherme: características, história e usos

Suas pequenas flores amarelas compõem um formato de espiga larga que lembra outra planta, o verbasco. A agrimônia é coberta por uma camada de “pelos” macios. E suas folhas são divididas em segmentos desiguais, nos quais os maiores podem chegar a 10 cm de comprimento.

É conhecida também como erva-das-feridas, chá dos bosques, eupatória, erva-hepática, erva dos gregos, hierba de San Guillermo (espanhol); aigremoine (francês); eupatorio (italiano); amoricos (casteliano); cockleburr, agrimony, agrimont, philanthropos, church steeples, churchsteeplese e sticklewort (inglês).

Fácil de crescer por toda a parte, surge à beira de bosques, caminhos, margens e lavouras; em colinas secas, ruínas etc., normalmente em lugares ensolarados. É uma variedade que cresce até cerca de 80 cm. Pertencente à mesma família da alquemila, ela é colhida durante a floração, geralmente de junho a agosto.

O uso medicinal da Erva de São Guilherme acontece desde os tempos mais remotos. No Egito antigo ela já era conhecida. De lá para cá, vem acumulando funções medicinais tais como:

  • Ação contra parasitas intestinais, laringite, reumatismo, rinite alérgica, manchas, rouquidão, mordedura de serpente, sardas, varizes, virose, tensão ou dor muscular, tuberculose pulmonar e úlceras.
  • Alívio de cólicas, erupção cutânea, espinhas, feridas escrofulosas, gota, hiperglicemia, esmagamento de tecidos e indigestão.
  • Auxiliar no controle de hipotensão arterial, inflamação nos olhos, sangramento pós-cirúrgico dentário, ressecamento ou rachadura na pele.
  • Combate à amigdalite, faringite, feridas de difícil cicatrização, estomatite, bronquite, asma bronquial, anginas e cálculo renal.
  • Tratamento de abscessos, gastrite, enxaqueca, dor de garganta, doenças do sangue, conjuntivite, diarreia e dermatite pruriginosa.

Consulte sempre seu médico antes de iniciar qualquer tratamento. A automedicação, inclusive com ervas medicinais, pode ser perigosa.

Cuide-se!

Até breve…

Leave a Reply