Erva-baleeira: função anti-inflamatória é seu ponto forte

Cordia verbenácea é o nome oficial da Erva-baleeira, uma planta medicinal encontrada em praticamente todo o Brasil, utilizada como remédio caseiro para dores musculares, problemas gastrointestinais, tendinites, nevralgias e vários outros problemas. Vem comigo saber mais!

Trata-se de um arbusto perene capaz de chegar aos 2 metros de altura e que ocorre principalmente em Santa Catarina. As indicações populares da planta incluem reumatismo, artrite reumatoide, gota, dor na coluna, hidropsia, infecções, gastrite e úlceras.

Basicamente, é considerada útil em inflamações, como antisséptico e cicatrizante natural. No entanto, há relatos também de propriedades diurética e laxante. Sua composição química fornece óleos essenciais, alantoina, artemetina, alfa-humuleno, flavonoides e açúcares.

Pertencente à família das Boraginaceae, traz como sinônimos botânicos Varonia curassavica, Cordia salicina DC. e Cordia curassavica.

Os apelidos variam de acordo com o local onde é encontrada, entre os quais estão: catinga de barão, maria rezadeira, cordia, balieira, maria-preta, camaramoneira do brejo, erva balieira, balieira cambará, erva preta, catinga preta, camarinha, maria milagrosa e salicinia.

As partes usadas para obter seus benefícios terapêuticos são folhas e caules. Em algumas regiões, as folhas são cozidas e aplicadas em feridas para estimular a cicatrização da pele.

Falando em folhas, as da Erva-baleeira são simples, alternas, aromáticas e medem entre 5 e 9 cm de comprimento. Já as flores são brancas e pequenas. A planta ocorre principalmente em solos arenosos e locais de restinga.

É um arbusto ereto, perene, muito ramificado, apresentando extremidade dos ramos pendente e hastes revestidas por casca fibrosa, com altura de 1,5-2,5 metros em média.

Existem estudos – testes em animais – sobre suas propriedades antialérgicas e atividade anti-inflamatória. As substâncias extraídas das folhas da Cordia verbenacea teriam mostrado redução de edema e outros sintomas ligados à inflamação.

E mais: o composto humuleno, encontrada no óleo essencial do vegetal, possui poder anti-inflamatório em alergias respiratórias. O extrato seco da Erva-baleeira também atua como anti-inflamatório.

Aqui, vale a pena lembrar que inflamação é uma resposta do organismo a uma agressão ou lesão. Um processo que envolve diversas reações bioquímicas e que, apesar de ser originalmente favorecedor do reparo e da cura, é capaz de causar lesão progressiva e até perda de função de um órgão.

A boa notícia é que o alfa-humuleno presente na Erva-baleeira age inibindo o trabalho da enzima cicloxigenase 2 (COX-2), responsável pela síntese de prostaglandinas. Estas, por sua vez, estão por trás de reações inflamatórias e suas consequências.

O mecanismo anti-inflamatório da planta seria parecido com o de outros remédios (alopáticos) existentes no mercado, como o ácido acetilsalicílico, porém, sem reações indesejáveis.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consulta e prescrições médicas. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Erva-baleeira: conheça melhor esta planta medicinal

O uso popular da Erva-baleeira persiste há séculos entre as populações litorâneas, que aproveitam a erva para promover cicatrização e combater inflamações.

Na web, é possível encontrar menção a pesquisas científicas como a do farmacologista Sertié e do bioquímico Sylvio Panizza, ambos da Universidade de São Paulo (USP). O estudo, feito no início da década de 1990 com ajuda de uma equipe multidisciplinar, aponta para a capacidade anti-inflamatória da Erva-baleeira.

Mais tarde, em 2004, cientistas de instituições como a Universidade Federal de São Paulo, Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade de Campinas chegaram à conclusão a respeito da presença de alfa-humuleno no óleo essencial da erva.

A pesquisa, realizada em parceria com um importante laboratório farmacêutico, identificou a substância química como ativo responsável pelas propriedades terapêuticas do vegetal.

Atualmente, a Erva-baleeira é indicada para ajudar a tratar condições como artrose, artrite, dores miofasciais, tendinite e lesão por esforços repetitivos, entre outros males inflamatórios dolorosos.

Ela pode ser encontrada inclusive na forma de creme contendo seu óleo essencial, sendo este utilizado topicamente, isto é, aplicado no local da dor.

Que bom, não é mesmo?

Até o próximo post…

Leave a Reply