Sete-sangrias: entenda seu nome e usos na medicina popular

Antigamente, as sangrias eram muito usadas para recuperar pessoas doentes. Por ser considerado melhor do que o procedimento, o chá da planta Cuphea carthagenensis recebeu o nome Sete-sangrias. Outros detalhes você confere nos próximos parágrafos! Vamos lá!

O arbusto Sete-sangrias é considerado erva daninha por alguns devido sua facilidade de nascer e se espalhar pelas plantações. Mas não deve ser confundido com Symplocos platyphylla Benth, a Sete-sangrias de árvore.

Guanxuma vermelha, pé de pinto, erva-de-sangue, balsamona, cuféa, chiagari e siete sangrias (espanhol) são alguns dos nomes populares da planta, que é bastante apreciada na medicina caseira tanto em tratamento interno quanto em emplastros e outras aplicações externas.

Toda a planta pode ser utilizada para aproveitar os componentes químicos responsáveis pelos benefícios que ela oferece. São óleos essenciais, glicosídeos, além de ácido betulínico, flavonoide e mucilagem. Em seu extrato bruto são encontrados ainda saponina, tanino e pigmentos.

O mais comum é o chá das raízes de Sete-sangrias, sendo este utilizado para combater dores. Também pode ser feito o extrato alcoólico, o xarope e os emplastros com as folhas, este último para males na pele, como úlceras e feridas.

Em geral, o preparo do chá de Sete-sangrias para diversas finalidades é feito fervendo 1 ½ colher de suas flores e folhas em 1 litro de água. Depois de ferver, a bebida deve amornar e ser coada, para que esteja pronta para consumo antes das refeições principais.

As propriedades medicinais atribuídas à Sete-sangrias incluem capacidades:

  • Adstringente
  • Antidiarreica
  • Anti-hipertensiva
  • Antirreumática
  • Balsâmica
  • Cardiotônica
  • Depurativa do sangue (ajuda a limpar)
  • Diaforética (provoca a transpiração)
  • Digestiva
  • Diurética
  • Emenagoga
  • Febrífuga
  • Hipocolesterolêmica
  • Hipotensora
  • Sedativa
  • Sudorífera
  • Tônica

Portanto, a Sete-sangrias é popularmente empregada em casos como pressão alta, problemas respiratórios e de pele (eczema, psoríase); insônia, excesso de ácido úrico, colesterol alto, arteriosclerose; tosse em cardíacos, palpitações, inchaço nas pernas, reumatismo, entre outros.

As indicações de uso externo incluem feridas, psoríase, furúnculos, afecções da pele, úlceras cutâneas, eczema e inflamação das mucosas.

No uso interno, em geral, as indicações são: doenças sexualmente transmissíveis, arteriosclerose, colesterol, bactérias gram-positivas; diarreia, febre, hipertensão, inchaço nas pernas, inflamação das mucosas; limpeza dos intestinos e rins, palpitações cardíacas, males no estômago; incômodos menstruais, reumatismo, sífilis, eliminação de ácido úrico e tosse de cardíacos, por exemplo.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consultas e acompanhamento especializado. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um neuropata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Tenha em mente que é importante contar com a recomendação segura, de acordo com cada pessoa em particular – e jamais ultrapassar as doses prescritas dos remédios naturais. E que toda planta ou erva medicinal pode trazer em sua composição substâncias químicas com potenciais alergênico, inflamatório e intoxicante.

A Sete-sangrias é contraindicada para crianças, gestantes e lactantes. E mais: o uso prolongado dela é capaz de provocar quedas bruscas de pressão. Altas doses da planta podem causar diarreia.

Sete-sangrias: saiba mais sobre ela

Da família Lythraceae, possui como nomes botânicos:

  • Balsamona pinto Vand.
  • Cuphea balsamona Cham. & Schltdl.
  • Cuphea divaricata Pohl ex Koehne
  • Cuphea elliptica Koehne
  • Cuphea mesostenion
  • Cuphea peplidioides Martel ex Koehne
  • Cuphea pinto Koehne
  • Lythrum carthagenense Jacq.
  • Parsonsia balsamona (Cham. & Schltdl.) Standl.
  • Parsonsia pinto (Vand.) A. Heller.

A Sete-sangrias cresce espontaneamente em gramados, quintais, hortas, áreas agrícolas e à beira de estradas. Ela cresce de 30 a 50 cm e possui caule e ramos avermelhados revestidos de penugem. Flores graciosas no tom rosado completam a delicadeza da espécie nativa de toda a América do Sul.

Tida por muita gente como erva daninha, a Sete-sangrias apresenta potencial medicinal, como você viu hoje aqui. Espero que o artigo possa ajudar você a compreender melhor as propriedades terapêuticas das ervas e, também, a necessidade de usá-las com sabedoria e acompanhamento especializado.

Cuide-se!

Até a próxima…

Leave a Reply