Muña: propriedades digestivas e várias outras; conheça

Muña é um arbusto com efeito estimulante, flores brancas e folhas de sabor suave como a hortelã; uma planta que serve de remédio caseiro para melhorar digestão, aliviar cólicas, tontura e asma. E tem muito mais… Vamos lá!

O uso tradicional caseiro da erva geralmente é feito na forma de infusão, mas seu perfume e gosto diferenciados fazem dela também um ingrediente culinário rico em propriedades medicinais. Há séculos, é tempero em receitas diversas em locais como a cordilheira sul-americana.

Planta digestiva por excelência, a Muña está associada a benefícios como dar fim às bactérias causadoras da gastrite. Porém, é empregada ainda, na medicina popular, como expectorante potente, fortalecedora dos ossos e inibidora de problemas de visão, entre outras possibilidades terapêuticas.

Diz-se que o consumo regular do chá de Muña pode diminuir a probabilidade de aparecimento de disfunções e doenças nos olhos, entre as quais estão a catarata, a miopia e a degeneração da mácula, contribuindo com a acuidade visual.

Em relação às enfermidades respiratórias, adeptos da medicina natural buscam na erva um expectorante ou aliada na prevenção de doenças. Ela é considerada útil em situações como tosse, congestão na garganta e vias aéreas.

Uma opção é misturar a Muña com outros óleos (eucalipto ou tea tree) para fazer massagem nas costas e peito. Isso pode ajudar a reduzir os sintomas e desconfortos da bronquite, por exemplo.

Muña: usos, características e história

O caso dos micro-organismos responsáveis pela gastrite merece uma atenção extra, uma vez que o problema afeta mais 80% da população mundial.

Há na internet um relato de estudo feito por um médico chamado Mario Carhuapoma, no qual um óleo produzido com Muña teria sido capaz de eliminar do organismo a bactéria Helicobacter pylori.

A sugestão do cientista peruano é tratar o mal com infusão diária da planta durante um mês, para que o micro-organismo possa ser expulso do nosso aparelho digestivo.

Tudo indica que as pesquisas continuam no sentido de obter um remédio específico a partir o óleo essencial de urucu Muña, que seria o tratamento mais rápido e eficaz.

A capacidade de amenizar tontura e cólica menstrual também é atribuída ao vegetal; na parte óssea, ela seria importante aliada na cura de fraturas e luxações. Também é aproveitada por algumas pessoas para manter ossos fortes, inibir o surgimento de descalcificação e osteoporose.

Há quem utilize as folhas amassadas da Muña com azeite em queimaduras. Enquanto as folhas misturadas com limão atuariam no alívio da urticária.

Acredita-se que a ação diurética seja outro ponto forte da planta, geralmente procurada para resolver diversos tipos de incômodos na área do estômago e intestinos.

Por exemplo: gases, congestão, azia, indigestão, males intestinais. Para combater o desconforto da flatulência acumulada, adeptos dos remédios caseiros tendem a usar a infusão de Muña.

Outra função associada à erva é a antiparasitária, isto é, ela seria útil no combate às bactérias causadoras do mau hálito. E como se não bastassem todas estas possibilidades de tratamento, a Muña queimada seca é, para alguns povos, um inseticida caseiro, ajudando a afugentar insetos e outros bichos.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consulta e prescrições médicas. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Oficialmente, seu nome é Minthostachys mollis. Essa planta pertencente à família Lamiaceae possui cerca de 7.900 outras espécies, muitas delas benéficas à saúde – seja para males internos ou condições externas (antisséptico).

A Muña é nativa da região andina da América do Sul, sendo que no gênero Minthostachys existem aproximadamente 12 espécies, oriundas do Peru, Argentina, Colômbia, Venezuela e Equador.

A história da Muña começou muito tempo atrás, com os incas, que consumiam a planta com mel para sanar dificuldades respiratórias. Nos últimos séculos, o vegetal vem sendo aproveitado pelos nativos para ajudar a imunidade a ficar livre de infecções por vermes e bactérias, entre outros.

Até hoje a planta é consumida com finalidades broncodilatadora e expectorante, além de ser chá saboroso e tempero em receitas tradicionais.

E você, já conhece a Muña?

Até breve…

Leave a Reply