Malva: decorativa, hortaliça e medicinal; saiba mais aqui

Malva ou Malva sylvestris está nos jardins e hortas, servindo de ornamento, ingrediente para receitas e remédios naturais repletos de propriedades. Estes são motivos mais do que suficientes para ter a planta como tema de hoje – aqui com destaque para as funções terapêuticas. Vamos a elas, então!

A Malva é muito utilizada no tratamento de infecções; no combate à prisão de ventre, dor de garganta e ao catarro. E mais: tosse, faringite, bronquite, aftas, rouquidão, irritação nos olhos, mau hálito, úlcera e gastrite, entre outros males e incômodos.

Malva-cheirosa, rosa cheirosa, malva de casa, malva-das-boticas, malva-silvestre ou malva-rosa são alguns de seus apelidos – tão diversificados quanto suas propriedades. Elas incluem: expectorante, laxante, diurética, adstringente, antioxidante e emoliente.

Quando o assunto é propriedade antioxidante, vale a pena lembrar da importância dela na luta contra os efeitos dos radicais livres, uma vez que estes não só aceleram o envelhecimento como, também, o surgimento de doenças.

A função adstringente auxilia nos processos de cicatrização, inibindo infecções e demais complicações. Já a capacidade de ajudar na diurese consiste em dar uma forcinha ao nosso corpo para impulsionar a eliminação de urina. Assim, é possível evitar ou reduzir cistites e infecções do trato urinário.

Isso ainda favorece a expulsão de toxinas e micro-organismos maléficos, promovendo uma verdadeira “limpeza”. Sem falar na contribuição com a redução do inchaço causado pela retenção de líquidos.

A rosa cheirosa conta, ainda, com poder expectorante, que está por trás do combate a enfermidades respiratórias, atuando na prevenção ou tratamento de gripes, resfriados e tosse. Enquanto laxante, a Malva sylvestris é capaz de ajudar o intestino a trabalhar melhor, além de auxiliar na saída de impurezas e bactérias do organismo.

Uma das maneiras de aproveitar suas propriedades terapêuticas é o chá, empregado para aliviar o intestino preso. Outra forma é fazer um cataplasma com suas flores e folhas amassadas, sendo este indicado para aliviar picadas de insetos, abcessos, furúnculos e feridas, pois conta com ação cicatrizante.

Mas o que será que essa planta possui para ter todo esse potencial? Diz-se que ela contém vitaminas (A, C, B1 e B2), carotenos, mucilagem e flavonoides.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consulta e tratamentos médicos. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

O chá de Malva sylvestris é contraindicado para grávidas e lactantes. Quando utilizada em grandes doses, a planta pode causar intoxicação.

Malva: curiosidades e recomendações

A malva-das-boticas é oriunda da Europa, tendo sido disseminada primeiro para zonas tropicais e temperadas da Ásia e África e, posteriormente, para países com o Brasil. Foi cultivada originalmente como planta ornamental devido suas lindas flores de pétalas rosadas ou brancas, que podem medir de 0,5 a 5 cm, além de folhas palmadas e alternadas.

Inicialmente, era comum enfeitar jardins, casas e comércios com a malva-cheirosa, que sempre ganhava atenção de todos com seu belo e delicado visual. Com o tempo, vieram as descobertas: ela poderia ser consumida e, principalmente, oferecer benefícios à saúde. Quanto ao seu uso na fitoterapia, ele começou por volta do século VIII a.C.

Ah! Aqui no Brasil ou no exterior, esta espécie às vezes é confundida com outras, também denominadas “malvas”, porém, pertencentes a outros gêneros da mesma família. É o caso, por exemplo, da Althaea, Abutilon, Sida e Pavonia.

Na realidade, existem mais de 200 gêneros da família das malváceas no mundo; e cerca de 80 deles fazem parte da flora brasileira ou são cultivados (algodoeiro, quiabo, alteia etc.).

É importante tomar cuidado para não confundir a verdadeira Malva sylvestris com outras parecidas, uma vez que as propriedades medicinais são distintas. Infelizmente, certas espécies de Malva são usadas como adulterantes de chás vendidos em lojas de produtos naturais.

Conte sempre com profissionais capacitados e de sua confiança para aproveitar o que há de melhor nas plantas medicinais!

Até a próxima!

Leave a Reply