Lírio de Maio: beleza, simbologias, uso medicinal e riscos

Lírio de Maio ou Convallaria majalis é uma planta de pequeno porte de fragrância e delicadeza sem iguais. Porém, sua função medicinal requer mais cuidados quando comparada a de outras espécies. Entenda os motivos e muito mais no post de hoje!

Nativa da Europa, ela é chamada também de convalária, lírio-do-vale, lírio- do-brejo, lírio convale e muguet. Da família Liliaceae (mas achei referência à família das Ruscaceae também), é uma espécie esguia com flores brancas perfumadas, e cuja propriedade terapêutica está ligada à melhoria do funcionamento do coração.

Neste sentido, acredita-se que os compostos ativos da convalária são parecidos com os da Digitalis purpúrea. Esta por sua vez, é apontada como fonte da digitoxina, um remédio para o coração.

Na indústria farmacêutica, a Convallaria majalis é utilizada na produção de medicamentos para tratar arritmia, insuficiência cardíaca e infarto. O extrato da planta ainda é matéria-prima no setor de cosméticos e perfumes.

A planta inteira é utilizada em busca de resultados benéficos, sendo seus princípios ativos: farnesol, saponina, óleo volátil, convalósido, convalarina e convalotoxina.

O que muitos não sabem é que sua ingestão pode ser fatal. O Lírio de Maio é uma planta medicinal capaz de efeitos tóxicos potentes. Por isso, não deve ser usada no preparo de chá ou infusão.

Atenção: plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento. O conteúdo deste post tem função de informar. Apenas um médico pode decidir o que é melhor para cada pessoa e prescrever tratamentos de acordo com a situação específica.

Por ser extremamente tóxica, a lírio-do-vale precisa ser administrada com mais atenção, e somente com supervisão especializada. Também é fundamental destacar que ela não deve ser ingerida por grávidas ou na fase de amamentação.

Para você ter uma ideia do potencial dela, devido suas características, a erva é restrita no Reino Unido e Austrália, entre outros países. Até seu plantio requer cuidados especiais, particularmente no que diz respeito à proximidade de crianças. Há registros de situações nas quais a ingestão dos frutos de Lírio de Maio provocou intoxicação.

Em geral, as reações adversas da planta costumam ser: dor de cabeça, náusea, vômito, arritmia cardíaca, desordem na percepção das cores e paralisia do centro respiratório.

Lírio de Maio: curiosidades e mais informações

O Lírio de Maio tende a crescer bem em localidades com solo fértil, rico em matéria orgânica; não é o tipo de planta que aprecia adubos químicos. É uma espécie facilmente cultivada em vasos e jardineiras, chegando a alcançar cerca de 25 cm de altura, em média.

Suas folhas nascem aos pares, brilhantes, largas e lisas; e as flores, sempre delicadas e perfumadas, em formato de sino, despontam pendentes principalmente na primavera. Cheias de néctar, são perfeitas para atrair as abelhas.

É das flores que a indústria da perfumaria costuma extrair com frequência sua essência inigualável. Mas elas podem ser empregadas na produção de remédios para tratar doenças cardiovasculares, sendo que, neste caso, toda a planta tende a ser utilizada.

Uma curiosidade sobre o Lírio de Maio é a seguinte: diz-se que, na Idade Média, ela era colhida para homenagear as noivas; na França renascentista, Charles IX teria recebido um galho dela no dia 1° de maio. A partir de então, teria instituído o costume de oferecer lírio-do-vale às damas da corte nesta data.

O hábito, então, foi sendo espalhado. As costureiras francesas ofereciam as flores às crianças na mesma data, como sinal de boa sorte. Os trabalhadores transformaram a flor de Lírio de Maio em peça central de seus festejos. Além disso, a planta é, em alguns lugares como a França, presenteada aos entes queridos, representando felicidade e prosperidade.

Portanto, vale a pena aproveitar a beleza, a delicadeza, o perfume e demais benefícios do Lírio de Maio – com bom senso, claro!

Cuide-se!
Até a próxima…

Leave a Reply