Kudzu: combate ao alcoolismo, outros benefícios e precauções

Há quem diga que ela é tão completa que inclui até a capacidade de agir na prevenção do câncer. O tema de hoje é a planta Kudzu, um vegetal com propriedades medicinais bastante variadas, como você vai ver a partir de agora!

Em doses moderadas e com acompanhamento profissional, a Kudzu é utilizada para tratar alergias diversas, diarreia, dor de cabeça intensa, resfriados, hipertensão e muito mais.

O fato de conter antioxidantes faz dela também uma possível aliada na inibição de alguns tipos de tumores malignos. Além disso, é associada a benefícios no aparelho cardiovascular.

Aplicado na pele, o vegetal ajuda a diminuir a tensão na musculatura dos ombros e a tensão no pescoço. Outra finalidade da erva é o auxílio na neutralização de venenos.

No continente asiático, a Kudzu é um remédio tradicional para o alcoolismo; já na medicina popular em geral, é útil no tratamento do sarampo em sua fase inicial.

A medicina chinesa recorre a ela com frequência para aproveitar suas propriedades terapêuticas, mas a planta também faz parte do cotidiano de muitos ocidentais através da medicina herbal.

Em relação ao tratamento contra a dependência de álcool, pesquisas em animais indicam que a planta pode contribuir com a redução da ansiedade, um dos fatores por trás do problema.

Já uma pesquisa com humanos, teria demonstrado diminuição no consumo de cerveja entre bebedores compulsivos que ingeriram suplemento de Kudzu, em comparação a um grupo que tomou apenas um placebo.

A razão do sucesso da erva é atribuída ao efeito dos compostos puerarina e daidzeína sobre a química cerebral atuante na neurotransmissão, especialmente sobre a serotonina, dopamina, glutamina e ácido γ-aminobutírico (GABA), hormônios que causam a sensação de bem-estar.

E ainda: outro estudo destaca que a daidzeína inibe a aldeído desidrogenase-2 (ALDH-2), uma enzima hepática que normalmente elimina uma toxina chamada aceltadeído.

Aceltadeído é resultante da metabolização do etanol. E sua ausência tem como resultado a diminuição da vontade de beber, por causa de uma consequência desagradável: a famosa ressaca.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consulta e prescrições médicas. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Kudzu: características, formas de uso e cuidados

Com nome científico Pueraria lobata (ou sinônimo Pueraria thunbergiana), a planta pertence à família das leguminosas. É conhecida popularmente como puerária, kuzu e kuzdu. O gênero Pueraria recebeu este nome graças ao trabalho do botânico suíço M.N. Pueraria.

Planta de crescimento rápido, a Kudzu pode alcançar mais de 30 metros de altura e tomar conta da área em seu entorno, matando outras espécies. Apesar das aplicações medicinais, é considerada erva daninha em algumas partes do mundo.

Uma das formas de uso é assando a kuzu em uma panela seca. O que serviria para produzir um tônico para o baço, tratar diarreia e favorecer a alcalinização do sangue – devido regulagem do pH -, tonando o organismo menos ácido.

Além de puerarina e daidzeína, das quais falei nos parágrafos anteriores, a Kudzu traz em sua composição química ainda goma, fitoestrógenos e flavonoides. Substâncias que podem ser aproveitadas na forma de infusão das folhas, talo e raiz, ou em cápsulas, extratos e tabletes.

No entanto, apesar da riqueza de propriedades medicinais e usos, a planta não está livre de reações adversas no organismo devido interação com outros medicamentos. Por exemplo: remédios para diabetes, diluentes do sangue, metotrexato.

A Pueraria lobata pode interagir mal também com estrógenos e fármacos alteradores de estrogênio, inclusive anticoncepcionais e químicos contra câncer de mama, tais como o tamoxifeno.

Existe ainda a preocupação de que a planta seja capaz de agravar males do fígado e provocar lentidão na coagulação sanguínea. Portanto, antes de começar um tratamento com Kudzu, consulte seu médico.

Cuide-se!

Até breve…

Leave a Reply