Ipê-roxo: potencial anticancerígeno e outros desta linda planta

Beleza e propriedades medicinais definem o Ipê-roxo, uma árvore com lindas flores de tom rosado a roxo claro muito comum no Brasil. Seu potencial de combate ao câncer, ainda em estudo pelos cientistas, é um dos destaques. Eu conto tudo a seguir… Não perca!

Na internet, há referência a estudos feitos por pesquisadores americanos nos quais foi encontrada uma substância, a beta-lapachone, na casca do Ipê-roxo.

Ela é capaz de agir contra um determinado tipo de célula cancerígena, podendo atuar em um novo tratamento contra os tumores nos pulmões, pâncreas e próstata.

Sabe-se, basicamente, qual o mecanismo de ação da beta-lapachone e como usar o remédio em tratamento individualizado. O que ainda precisa ser melhor estudado cientificamente são os motivos de a substância funcionar.

Mesmo assim, o uso do chá de casca de ipê-roxo (Tabebuia avellanedae, da família Bignoniaceae) já é consagrado há séculos pela medicina popular.

Na verdade, algumas espécies de ipê estão sendo pesquisadas por seu potencial anticancerígeno, entre as quais também surgem o ipê-rosa e o branco, e outros da Tabebuia sp.

Existem aplicações que são frutos da experiência direta e de observações da casca de Ipê-roxo, resultantes de suas ações analgésica, relaxante, antifúngica, antibacteriana e anti-inflamatória.

Por causa desses conhecimentos empíricos, o chá da árvore é empregado no alívio de dores nos músculos, disfunções menstruais, problemas ginecológicos, diabetes, anemia e até no mal de Parkinson.

No Brasil, por exemplo, a medicina popular recorre ao chá por sua capacidade de inibir tumores sólidos. Acredita-se que isso esteja ligado à mudança no poder de reparação do DNA das células cancerígenas, levando-as ao que é conhecido como morte programada ou apoptose.

Ipê-roxo: propriedades e usos medicinais

Os benefícios do Ipê-roxo podem ser aproveitados na forma de cápsulas, extrato ou pó, encontrados nas farmácias especializadas. Para isso, são utilizadas cascas e folhas.

Enquanto remédio natural, o Ipê-roxo é tradicionalmente utilizado para combater diversos problemas de saúde. Ainda que, essencialmente, seu forte seja como anti-inflamatório, tem abrangência em muitas enfermidades.

Entre suas propriedades estão as ações:

  • Diurética
  • Depurativa
  • Antitumoral
  • Anti-sifilítica
  • Antinevrálgica
  • Antimicrobiana
  • Anti-inflamatória
  • Anti-infecciosa
  • Antifúngica
  • Antiblenorrágica
  • Antibactericida
  • Analgésica
  • Adstringente

As propriedades acima fazem do Ipê-roxo uma opção natural para tratar diversos males, entre os quais:

  • Alergias
  • Anemia
  • Câncer
  • Candidíase
  • Catarro da uretra
  • Coceira
  • Cólica menstrual
  • Colite
  • Corrimento
  • Diabetes
  • Dor muscular
  • Lúpus
  • Mal de Parkinson
  • Malária
  • Osteomielite
  • Problemas respiratórios
  • Psoríase
  • Queimaduras
  • Úlceras

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consultas e acompanhamento especializado. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento. Automedicação, inclusive com remédio natural, pode ser perigosa.

O chá de Ipê-roxo é contraindicado para grávidas e lactantes. Deve-se tomar cuidado com a quantidade ingerida, pois, em excesso, a bebida pode provocar vômito, diarreia, náuseas, efeito anticoagulante, entre outras reações adversas.

Normalmente, o preparo do chá de Ipê-roxo é feito com 2 colheres (sopa) das cascas em 1 litro de água. Depois de cozinhar por cerca de 10 minutos, contando a partir do começo da ebulição, ele deve ser retirado do fogo e repousar, tampado, por mais 10 minutos. Por fim, é só coar e a bebida está pronta.

Encontramos a casca do Ipê-roxo em pacotes e cápsulas, em farmácias especializadas em fitoterapia. Mas, no caso de retirá-la diretamente da natureza, o uso medicinal precisa de bons critérios para que possa funcionar adequadamente.

Por exemplo: escolher troncos saudáveis e bem-desenvolvidos, além de preservar a árvore, ou seja, retirar apenas a quantidade de casca que será utilizada, permitindo o restabelecimento dela ou dos galhos.

A perfeita colheita é um dos cuidados essenciais na adesão à fitoterapia. O que inclui ainda as boas condições de armazenamento do vegetal; uso da dose indicada; disposição para fazer o tratamento pelo período prescrito.

Originário da América Tropical, do México à Argentina, o Ipê-roxo proporciona paisagem deslumbrante com as cores de suas flores e sua madeira, sendo esta utilizada na marcenaria. Como você viu hoje, a árvore pode ir muito além…

Até a próxima!

Leave a Reply