Garra-do-diabo: usos e benefícios para a saúde

Nativa do sul do continente africano, a garra-do-diabo recebem seu nome dos diversos espinhos que cobrem o fruto que produz. Tradicionalmente, a planta é utilizada para tratar dores, problemas no fígado e nos rins, assim como febre e malária. Além disso, é utilizada em tratamentos tópicos, capazes de curar inchaços, queimaduras e outros problemas na pele.

No início do século XX, ela foi levada para a Europa, onde sua raiz desidratada tornou-se popular para diversos usos. Era utilizada para restaurar o apetite e tratar problemas de azia.

Atualmente, sua utilização ainda é alta ao redor do mundo, mesmo que no Brasil sua popularidade ainda seja incipiente. É utilizada para combater inflamações, dores em função de inchaços, dores de cabeça e outros incômodos.

A utilização da garra-do-diabo geralmente é feita com a raiz fresca ou seca, ou – ainda – em cápsula, extrato, ou aplicações tópicas. A raiz seca é comumente utilizada para fazer chás. Confira de que formas esta erva pode auxiliar sua saúde:

Alívio de dores

Desde os tempos antigos, até os dias atuais, a garra-do-diabo é utilizada primariamente para o tratamento de dores diversas. Ao que tudo indica, este efeito é cientificamente comprovado, nos dias atuais. A garra-do-diabo é capaz de aliviar as dores de artrites em apenas dez dias de uso.

Outras dores, especialmente aquelas vindas de inflamações – como gota, bursite, tendinite e dores musculares, também podem ser tratadas pela planta. Também acompanha a boa notícia a ausência de efeitos colaterais conhecidos. Isso indica que a garra do diabo é uma boa opção para quem não gosta dos efeitos de medicamentos comuns.

garra-do-diabo1

Propriedades anti-inflamatórias

Não é à toa que a garra do diabo combata com mais eficiência as dores causadas por condições inflamatórias. Na prática, isso ocorre em função das propriedades anti-inflamatórias da planta.

Por isso, ela é utilizada para o tratamento de artrite desde a chegada de europeus colonialistas no continente africano. Este uso ainda é feito até os dias atuais, especialmente em países europeus.

Tratamento da Artrose

Entre as condições de saúde melhor combatidas pela erva, destaca-se a artrose. Entre oito e doze semanas de tratamento, pode-se reduzir a dor física trazida pela condição, segundo estudo divulgado.

Em um estudo realizado com centenas de pessoas que sofrem do problema, foi possível identificar uma redução significativa após os consumo da garra-do-diabo. O resultado prático mensurável foi uma visível menor necessidade de medicamentos analgésicos a serem consumidos por parte do paciente.

Atualmente, dezenas de estudos já comprovam a redução dos sintomas da artrose para pacientes que recorrem à erva diariamente.

Cuidados e possíveis efeitos colaterais

Blühende Teufelskralle (Harpagophytum procumbens); Flowering Devil's claw (Harpagophytum procumbens)

Em geral, não costumam ser observados efeitos colaterais significativos em relação a quem consome a garra-do-diabo. Em casos raros, no entanto, é possível que o consumo excessivo da erva gere alguns efeitos moderados.

É o caso de problemas gastrointestinais, perda de apetite ou dores de cabeça moderados. São efeitos que ocorrem principalmente em pessoas predispostas ao desenvolvimento de reações alérgicas.

Mulheres que estejam grávidas ou sejam lactantes também devem evitar o consumo de produtos feitos à base da erva. Embora não haja problemas identificados nestas circunstâncias, não há estudos que garantam que a utilização seja absolutamente segura.

Veja também:

Leave a Reply