Filipêndula pode ser útil em problemas no estômago – e outros!

As propriedades adstringente e antiácida fazem da Filipêndula uma das preferidas na medicina caseira para combater hiperacidez gástrica, pois está associada à reparação do estômago e ao controle da liberação de ácido. Saiba mais sobre ela lendo este post até o final!

A Filipêndula é indicada ainda para combater dores reumáticas e até fibromialgia. Acredita-se que ela possa aliviar a rigidez de músculos e articulações, reduzindo a inflamação.

Filipendula ulmaria ou rainha do prado costuma ser usada também para indigestão nervosa, úlceras, diarreia, reumatismo, doenças de pele, gastrite, azia, refluxo, má digestão, artrite, resfriados e problemas respiratórios.

Há quem recorra à rainha do prado para tratar amebíase, uma infecção do cólon por parasitas. E mais: enfermidades como pneumonias e disenterias bacilares (intestino).

Um modo de uso da Filipêndula é o cozimento de sua raiz para tratamento de úlceras de pele, machucados e grandes feridas.

O motivo das ações acima e de várias outras: sua capacidade de agir com anti-inflamatório, tônico, antisséptico, hemostático e diurético. As principais propriedades dela incluem as ações: antiemética; antirreumática; calmante; cicatrizante; sedativa; febrífuga.

As possibilidades terapêuticas da Filipêndula abrangem os micro-organismos causadores da difteria (infecção de garganta ou nariz). Além disso, a erva costuma ser empregada em infecções no sangue.

No caso da diarreia, ela é apontada como remédio natural muito eficaz, sendo útil inclusive em crianças.

Em pequenas doses, suas raízes frescas são utilizadas em preparos homeopáticos para combater diversos males. As raízes tendem a ser aproveitadas inclusive no alívio de dor de cabeça e febre.

As propriedades são parecidas com as da aspirina. Aliás, foi a partir dela que, no século XIX, alguns compostos semelhantes à aspirina foram isolados pela primeira vez.

Atenção: este post tem função de informar. Não substitui consulta e prescrições médicas. Plantas medicinais podem ter contraindicações e interações medicamentosas. Consulte sempre um naturopata ou fitoterapeuta e seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Aviso: a Filipêndula pode agravar condições asmáticas. Entre os efeitos adversos da planta está a sensação de aperto na área dos pulmões (broncoespasmos).

Pessoas alérgicas à aspirina e medicamentos similares não devem ingerir chá ou preparações homeopáticas de Filipêndula.

Em doses altas, a planta pode provocar úlceras gástricas.

No caso dos indivíduos que sofrem de asma, um a cada cinco apresentam reações à aspirina, resultando em ainda mais sintomas da doença. E a Filipêndula é capaz de induzir os mesmos sintomas.

A rainha do prado deve ser evitada na gravidez e amamentação.

Filipêndula: história, usos e curiosidades

Pertencente à família das Rosaceae, a planta é conhecida ainda como ulmeria, barba-de-bode, ulmária, erva-das-abelhas, ulmeira, grinalda-de-noiva, olmeira, orgulho de prado, ulmaire (francês), ulmaria (espanhol) e meadowsweet (inglês).

Por razões como as apresentadas nos parágrafos anteriores, a Filipêndula foi uma das ervas mais utilizadas antigamente em preparos medicinais, através das propriedades extraídas de seus galhos, folhas (frescas ou secas), flores e raízes.

A planta pode ser utilizada na forma de tintura da raiz seca ou de infusão. Em geral, a infusão das flores secas serve para dores reumáticas, febre e gripe, entre outros males. Já a infusão de flores e folhas pode ajudar no tratamento de dores (bexiga e rins), potencializar a excreção de ácido úrico e combater dores estomacais.

Sua história conta que, em 1597, um botânico chamado John Gerard notou o aroma dos prados da região e escreveu sobre Filipêndula. Mais tarde, já em 1652, Nicholas Culpeper, um médico inglês, registrou os efeitos dela no tratamento de problemas no estômago.

Fora o uso medicinal, as flores da ulmeira serviram para dar um gosto diferenciado às bebidas alcoólicas inglesas e escandinavas. Na Idade Média, a planta foi usada no hidromel, bebida alcoólica produzida a partir da fermentação do mel e suco de frutas. Seu aroma agradável é ideal para dar sabor a vinhos, vinagres e cervejas.

Agora que você conhece um pouco mais sobre a Filipêndula, espero que as informações possam auxiliar na sua busca por mais saúde – sempre com acompanhamento médico, claro!

Cuide-se! E até o próximo post…

Leave a Reply