Azedinha Vermelha: da cozinha ao remédio natural; usos e recomendações

Azedinha Vermelha ou Rumex sanguineus, seu nome oficial, é uma planta originária da Europa Central. Possui folhas lisas, largas e compridas. Uma exuberância aproximadamente 1m de altura e cor avermelhada no caule e nas nervaturas. Vem comigo descobrir mais!

A planta Azedinha é também chamada de trevinho, trevo, azeda do campo, acedrilla, erva-azeda, entre outros apelidos. Ela faz parte da família das Polygonaceae, sendo seu nome científico Rumex acetosella ou Rumex acetosa. Algumas pessoas acabam confundindo as Azedinhas, por isso a explicação.

De forma geral, muitas vezes, as espécies de Azedinhas crescem no mesmo local onde as samambaias surgem, e geralmente têm ótimo desenvolvimento em cantos escuros e úmidos, formando um belo e denso cobertor esverdeado.

Menos azeda que a espécie Rumex acetosa, a Azedinha Vermelha é muito popular principalmente na Europa. Há séculos, os europeus desfrutam de seus encantos, sabor e benefícios. Mas, graças a sua cor decorativa, a planta foi, aos poucos, sendo conhecida em diversas partes do mundo.

No que diz respeito ao uso culinário da Azedinha Vermelha (ou red, em inglês), suas folhas podem ser utilizadas em saladas, sozinhas ou com outras, proporcionando um toque mais refrescante ao acompanhamento.

A planta possui um gosto semelhante ao do limão, além de ser considerada benéfica à saúde. O tratamento da bronquite está entre os usos terapêuticos da Rumex sanguineus. Ela também é empregada por muitos adeptos da medicina natural no aumento do apetite.

Ela pode ser cozida, servindo de ingrediente no preparo de comidas quentes, ou misturada aos sucos. Com o de laranja, por exemplo, compõe uma bebida saborosa e relaxante quando adicionados mel e gelo. Há quem prefira a Azedinha Vermelha em forma de chá. São diversas possibilidades!

Um modo de preparar a Azedinha Vermelha é picando suas folhas e adicionando iogurte e requeijão. Sem falar que elas combinam bem com molhos para um saboroso salmão ou, ainda, sopas.

Porém, é relevante destacar que a Azedinha Vermelha contém ácido oxálico – e não deve ser consumida em grandes quantidades, pois há risco de formação de pedras nos rins. Devido ao ácido, ela é contraindicada para quem sofre de reumatismo, cálculos renais ou gota.

Importante: aderir à fitoterapia requer alguns cuidados, como: identificação correta da planta; perfeita colheita dela em local e tempo adequados; boas condições de armazenamento do vegetal; uso da dose indicada; disposição para fazer o tratamento pelo período prescrito.

Para isso, é fundamental o acompanhamento especializado de um fitoterapeuta ou naturopata ao administrar plantas medicinais. Elas podem ter contraindicações, efeitos colaterais e interações medicamentosas.

Em especial, grávidas, lactantes e pacientes com uso contínuo de medicamento devem usar a Azedinha Vermelha somente com supervisão médica.

O conteúdo deste post tem função de informar. Apenas um médico pode decidir o que é melhor para cada pessoa e prescrever tratamentos de acordo com a situação específica.

Azedinha Vermelha: mais propriedades e benefícios

Rica em vitaminas B e C, cálcio e outros minerais, a Azedinha Vermelha é associada às seguintes ações: febrífuga, diurética, cicatrizante, anti-inflamatória, adstringente, desintoxicante, antibacteriana, laxante, antisséptica, anticancerígena, hepática e antiescorbútica.

Na internet, há relato de pesquisa feita em renomada universidade brasileira, a PUC do Rio Grande do Sul, na qual foi comprovado cientificamente que a raiz da Azedinha possui 100 vezes mais resveratrol que a uva.

Lembrando que resveratrol é um antioxidante que auxilia no controle da chamada homeostase, equilibrando nossas funções orgânicas, favorecendo a cura de várias doenças – especialmente as do metabolismo e ligadas ao envelhecimento.

Existem ainda citações de estudos nos quais a planta Azedinha pode ser interessante para combater inflamações, câncer e pressão alta, além de acne e feridas (cataplasma), prisão de ventre, retenção de líquidos e lombriga.

E você, já experimentou a Azedinha Vermelha ou alguma outra versão da planta? Deixe seu comentário…

Até o próximo post…

Leave a Reply